Solta esse Quadril!: por uma dança do ventre mais malemolente

postado em: Dança do Ventre, Sala de Aula | 4

 

“Como que faz aquele negócio que treme tudo” – a pessoa tenta tremer o corpo inteiro e simula ser atingida por uma descarga elétrica – “é assim?”, disse a amiga da facul que te pediu pra ensinar o shimmie.

 

Não tem jeito mesmo, dança do ventre sem um quadril molinho, soltinho, ~temperado~ e habilidoso definitivamente não tem a mesma graça. Nós bailarinas e bailarinos também estudamos técnicas de braços, deslocamentos, ritmos árabes, folclore e um tantão de coisas. Ainda assim, se você perguntar qual é o sonho técnico de 10 praticantes de dança do ventre, 9,5 vão te responder “um quadril super solto”. Afinal, quem não quer?

 

A boa notícia é que sim, é super possível. Um quadril solto nem sempre nasce com a gente, mas é uma habilidade que pode ser adquirida e aperfeiçoada. A “má” notícia (só para quem não gosta de estudar, na verdade), é que para chegar nesse nível é preciso suar – e muito – o lencinho de quadril.

 

Como a senhora que vos fala está todo santo dia suando e muito o lencinho de quadril para ganhar a sonhada malemolência (adoro essa palavra!), vim aqui compartilhar algumas dicas que eu andei usando nos meus próprios treinos e, quem sabe, pode ajudar outras/outros bellydancers por aí! ♥

 

Foca no estudo!

 

  1. Foca no básico!

Se tem uma coisa que é importante porém muito negligenciada nessa vida, são os movimentos básicos. Quem aí é da turma do avançado/profissional e treina básico sempre? Não vale “oito para frente com shimmie”, “batida lateral com deslocamento frente e trás”, “redondo com cambalhota” e por aí vai… Tô falando de parar e treinar apenas o básico egípcio limpo e seco, assim como treinamos quando iniciamos. Se você faz isso com frequência, dá um abraço aqui! Tamo junto por uma base mais limpa, mais consciente e cada vez melhor.

 

 

  1. Cuidado onde você pisa!

Como estão seus pés na hora de dançar? O peso está bem distribuído ou fica concentrado na borda externa? São eles os responsáveis pelo contato com o chão, a energia do movimento, a troca de peso… Enfim, vários elementos importantíssimos e diretamente ligados com a qualidade dos movimentos de quadril. Cuidado com distribuição de peso, pés muito apertados, tornozelos rígidos ou “pés frenéticos”, com excesso de intenção – o famoso “pé da bicicletinha” na hora de fazer o oito pra cima, por exemplo!

 

 

  1. Aloooooooonga!

Es-sen-ci-al! Precisamos “criar espaço” no tronco e no quadril para executar um movimento maior e bem delineado. Ou você vai me dizer que já chegou na aula de dança do ventre com uma super dissociação lateral? Ok, pode até ser, mas a maioria das alunas e alunos não começam bem assim. Com um certo tempo de prática, até já temos um bom alongamento, mas nada como manter e melhorar. Por isso, puuuuuuxa! Só cuidado com a hora (e a maneira) certa de alongar. Aqui nesse post da Bruna Nassif sobre alongamento e relaxamento você vai conferir boas dicas sobre o assunto.

 

Aloooooooonga… <3
 
  1. Aqui não é academia, mas a gente também agacha

Esqueça halteres, barras e outros instrumentos do mundo fitness: aqui o agachamento pode ser praticado sem peso, em algumas repetições sem exageros, com a intenção de atentar para a força abdominal e para a flexibilidade da articulação coxo-femural, a grande protagonista da saga do quadril. ♥ Atenção: se você não tem conhecimento algum sobre esse movimento, procure um educador físico para te orientar!

 

  1. Atenção para a postura.

E como ter movimentos bem definidos, soltos, lindos, com a postura errada? Sem chance! Confira como estão seus joelhos (muito flexionados, ou muito estendidos), se o quadril está muito desencaixado (acontece em quem tem hiperlordose), se os ombros estão caídos… E a coluna? Está alongada? Eu costumo voltar para a postura neutra várias vezes durante os treinos, para realinhar o corpo e deixar tudo no seu devido lugar.

 

postura neutra dança do ventre
Posturas equivocadas x postura neutra

 

 

Todas as dicas que eu coloquei aqui são realmente utilizadas por mim em todos os meus treinos e também nas minhas aulas de iniciante, mas o meu segredo mesmo é manter uma constância de prática de qualidade. Isso é o que está fazendo cada vez mais a diferença! Para quem quiser ler um pouco mais sobre o tema, fica a dica de algumas referências de ótima qualidade que usei para escrever o post:

http://www.elispinheirobellydance.com/blog/quadril-soltinho-eu-tambm-quero-um

http://www.elispinheirobellydance.com/blog/danca-do-pe-para-uma-melhor-danca-do-ventre

 

 

Espero de verdade que essas dicas aqui sejam úteis para você que está lendo. ♥ Depois me escrevam dizendo se sentiram alguma diferença. E pode ir me contando agora mesmo nos comentários o que você faz para soltar o seu quadril! Vamos promover a cremosidade de quadril por aí, hahahaha!

 

Digite “Amém Fifi Abdo” nos comentários e você será abençoado com um quadril soltinho (depois é só treinar todo dia)

 

4 Respostas

  1. Amém!
    rsrsrs

    Vou prestar mais atenção na distribuição do peso, e treinar, treinar, treinar!
    (Adorei o gif da RuPaul rebolando no início! Amo essa Queen!)

  2. Amem Fifi Abdo! <3
    Que meu quadril se solte lindamente igual o seu rainha!

Deixe uma resposta